NAMPULA, 09 DE MAIO DE 2024 – O Director Geral Adjunto da ANAC, Severiano Khoy, falava na abertura da 3ª Reunião Nacional de Fiscalização das Áreas de Conservação que teve lugar, entre os dias 09 e 10 de Maio de 2024, na Cidade de Nampula.

 

“𝘖 ê𝘹𝘪𝘵𝘰 𝘯𝘢 𝘳𝘦𝘥𝘶çã𝘰 𝘥𝘢 𝘤𝘢ç𝘢 𝘧𝘶𝘳𝘵𝘪𝘷𝘢 é 𝘧𝘳𝘶𝘵𝘰 𝘥𝘢 𝘦𝘧𝘪𝘤𝘪𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘤𝘰𝘰𝘳𝘥𝘦𝘯𝘢çã𝘰 𝘦 𝘥𝘢𝘴 𝘴ó𝘭𝘪𝘥𝘢𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘤𝘦𝘳𝘪𝘢𝘴 𝘦𝘴𝘵𝘢𝘣𝘦𝘭𝘦𝘤𝘪𝘥𝘢𝘴 𝘱𝘦𝘭𝘢 𝘈𝘕𝘈𝘊 𝘤𝘰𝘮 𝘰𝘶𝘵𝘳𝘢𝘴 𝘪𝘯𝘴𝘵𝘪𝘵𝘶𝘪çõ𝘦𝘴 𝘦𝘴𝘵𝘢𝘵𝘢𝘪𝘴, 𝘤𝘰𝘮𝘰 𝘢 𝘗𝘎𝘙, 𝘗𝘙𝘔 𝘦 𝘰 𝘚𝘌𝘙𝘕𝘐𝘊, 𝘢𝘭é𝘮 𝘥𝘰 𝘴𝘦𝘤𝘵𝘰𝘳 𝘱𝘳𝘪𝘷𝘢𝘥𝘰 𝘦 𝘥𝘰𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘤𝘦𝘪𝘳𝘰𝘴 𝘥𝘦 𝘤𝘰𝘰𝘱𝘦𝘳𝘢çã𝘰. 𝘌𝘴𝘴𝘢𝘴 𝘤𝘰𝘭𝘢𝘣𝘰𝘳𝘢çõ𝘦𝘴 𝘴ã𝘰 𝘧𝘶𝘯𝘥𝘢𝘮𝘦𝘯𝘵𝘢𝘪𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘢 𝘪𝘮𝘱𝘭𝘦𝘮𝘦𝘯𝘵𝘢çã𝘰 𝘦𝘧𝘪𝘤𝘢𝘻 𝘥𝘰𝘴 𝘱𝘭𝘢𝘯𝘰𝘴 𝘥𝘦 𝘢𝘤𝘵𝘪𝘷𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦𝘴 𝘥𝘢 𝘈𝘕𝘈𝘊, 𝘱𝘦𝘳𝘮𝘪𝘵𝘪𝘯𝘥𝘰-𝘯𝘰𝘴 𝘢𝘷𝘢𝘯ç𝘢𝘳 𝘤𝘰𝘮 𝘥𝘦𝘵𝘦𝘳𝘮𝘪𝘯𝘢çã𝘰 𝘳𝘶𝘮𝘰 𝘢𝘰𝘴 𝘯𝘰𝘴𝘴𝘰𝘴 𝘰𝘣𝘫𝘦𝘵𝘪𝘷𝘰𝘴 𝘥𝘦 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢çã𝘰”– disse o Director Geral Adjunto da ANAC, Severiano Khoy.

 

Severiano Khoy, disse ainda que, actualmente, a ANAC encontra-se num momento de restruturação e crescimento e que é gratificante observar a instituição a progredir na redução do índice de caça furtiva, graças aos eficazes e eficientes mecanismos de Proteção e Fiscalização implementados nas áreas de conservação do país, tendo afirmado que ainda persistem desafios.

 

“𝘕𝘰 𝘦𝘯𝘵𝘢𝘯𝘵𝘰, 𝘢𝘪𝘯𝘥𝘢 𝘦𝘯𝘧𝘳𝘦𝘯𝘵𝘢𝘮𝘰𝘴 𝘥𝘦𝘴𝘢𝘧𝘪𝘰𝘴 𝘴𝘪𝘨𝘯𝘪𝘧𝘪𝘤𝘢𝘵𝘪𝘷𝘰𝘴, 𝘤𝘰𝘮 𝘥𝘦𝘴𝘵𝘢𝘲𝘶𝘦 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘢 𝘱𝘦𝘳𝘴𝘪𝘴𝘵ê𝘯𝘤𝘪𝘢 𝘥𝘢 𝘱𝘦𝘴𝘤𝘢 𝘪𝘭𝘦𝘨𝘢𝘭 𝘦 𝘥𝘢 𝘦𝘹𝘱𝘭𝘰𝘳𝘢çã𝘰 𝘪𝘭𝘦𝘨𝘢𝘭 𝘥𝘦 𝘱𝘳𝘰𝘥𝘶𝘵𝘰𝘴 𝘧𝘭𝘰𝘳𝘦𝘴𝘵𝘢𝘪𝘴. 𝘌𝘴𝘵𝘢𝘴 𝘲𝘶𝘦𝘴𝘵õ𝘦𝘴 𝘤𝘰𝘯𝘵𝘪𝘯𝘶𝘢𝘮 𝘢 𝘦𝘹𝘪𝘨𝘪𝘳 𝘯𝘰𝘴𝘴𝘢 𝘢𝘵𝘦𝘯çã𝘰 𝘦 𝘢𝘤çã𝘰 𝘥𝘪𝘭𝘪𝘨𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘨𝘢𝘳𝘢𝘯𝘵𝘪𝘳 𝘢 𝘱𝘳𝘦𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢çã𝘰 𝘥𝘰𝘴 𝘯𝘰𝘴𝘴𝘰𝘴 𝘳𝘦𝘤𝘶𝘳𝘴𝘰𝘴 𝘯𝘢𝘵𝘶𝘳𝘢𝘪𝘴.” – explicou o Director Geral Adjunto da ANAC, Severiano Khoy.

 

O Director Geral Adjunto da ANAC, exortou aos presentes sobre a necessidade de se trabalhar em estreita colaboração com as comunidades locais, as autoridades governamentais e as organizações da sociedade civil para garantir uma abordagem holística e inclusiva na protecção do património natural.

 

Severiano Khoy destacou na sua intervenção a satisfação de ver o engajamento de grupos de mulheres no sector de Proteção e Fiscalização.

 

“𝘌𝘴𝘴𝘢 𝘪𝘯𝘤𝘭𝘶𝘴ã𝘰 𝘢𝘤𝘵𝘪𝘷𝘢 𝘥𝘢𝘴 𝘮𝘶𝘭𝘩𝘦𝘳𝘦𝘴 𝘦𝘮 𝘯𝘰𝘴𝘴𝘢𝘴 𝘧𝘪𝘭𝘦𝘪𝘳𝘢𝘴 é 𝘶𝘮 𝘱𝘰𝘯𝘵𝘰 𝘥𝘦 𝘥𝘦𝘴𝘵𝘢𝘲𝘶𝘦, 𝘢𝘱𝘰𝘪𝘢𝘥𝘰 𝘱𝘦𝘭𝘰𝘴 𝘯𝘰𝘴𝘴𝘰𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘤𝘦𝘪𝘳𝘰𝘴 𝘲𝘶𝘦 𝘥𝘦𝘧𝘦𝘯𝘥𝘦𝘮 𝘢 𝘱𝘢𝘳𝘵𝘪𝘤𝘪𝘱𝘢çã𝘰 𝘧𝘦𝘮𝘪𝘯𝘪𝘯𝘢 𝘦𝘮 𝘵𝘰𝘥𝘰𝘴 𝘰𝘴 𝘴𝘦𝘤𝘵𝘰𝘳𝘦𝘴 𝘥𝘦 𝘵𝘳𝘢𝘣𝘢𝘭𝘩𝘰 𝘯𝘢 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢çã𝘰. 𝘌𝘴𝘵𝘢𝘮𝘰𝘴 𝘤𝘰𝘮𝘱𝘳𝘰𝘮𝘦𝘵𝘪𝘥𝘰𝘴 𝘦𝘮 𝘱𝘳𝘰𝘮𝘰𝘷𝘦𝘳 𝘢 𝘪𝘨𝘶𝘢𝘭𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘥𝘦 𝘨ê𝘯𝘦𝘳𝘰 𝘦 𝘦𝘮 𝘤𝘳𝘪𝘢𝘳 𝘰𝘱𝘰𝘳𝘵𝘶𝘯𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦𝘴 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘲𝘶𝘦 𝘮𝘶𝘭𝘩𝘦𝘳𝘦𝘴 𝘤𝘰𝘯𝘵𝘳𝘪𝘣𝘶𝘢𝘮 𝘴𝘪𝘨𝘯𝘪𝘧𝘪𝘤𝘢𝘵𝘪𝘷𝘢𝘮𝘦𝘯𝘵𝘦 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘰𝘴 𝘦𝘴𝘧𝘰𝘳ç𝘰𝘴 𝘥𝘦 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢çã𝘰, 𝘧𝘰𝘳𝘵𝘢𝘭𝘦𝘤𝘦𝘯𝘥𝘰 𝘢𝘴𝘴𝘪𝘮 𝘯𝘰𝘴𝘴𝘢 𝘤𝘢𝘱𝘢𝘤𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘤𝘰𝘭𝘦𝘤𝘵𝘪𝘷𝘢 𝘥𝘦 𝘱𝘳𝘰𝘵𝘦𝘨𝘦𝘳 𝘦 𝘱𝘳𝘦𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢𝘳 𝘢 𝘯𝘰𝘴𝘴𝘢 𝘳𝘪𝘤𝘢 𝘣𝘪𝘰𝘥𝘪𝘷𝘦𝘳𝘴𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦.” – disse o Director Geral Adjunto, Severiano Khoy.

 

Por seu turno, o Secretário de Estado da província de Nampula, Jaime Neto, disse que o Governo de Moçambique atribui muita importância a área de preservação ambiental, com destaque na fauna e flora, como pressupostos essenciais da existência da natureza, com a qual o homem convive de forma intrínseca, numa relação de interdependência inquebrantável.

 

“𝘈𝘴 á𝘳𝘦𝘢𝘴 𝘥𝘦 𝘤𝘰𝘯𝘴𝘦𝘳𝘷𝘢çã𝘰 𝘫𝘰𝘨𝘢𝘮 𝘶𝘮 𝘱𝘢𝘱𝘦𝘭 𝘮𝘶𝘪𝘵𝘰 𝘪𝘮𝘱𝘰𝘳𝘵𝘢𝘯𝘵𝘦 𝘯𝘢 𝘮𝘦𝘥𝘪𝘥𝘢 𝘦𝘮 𝘲𝘶𝘦 𝘤𝘰𝘯𝘵𝘳𝘪𝘣𝘶𝘦𝘮 𝘱𝘢𝘳𝘢 𝘰 𝘤𝘳𝘦𝘴𝘤𝘪𝘮𝘦𝘯𝘵𝘰 𝘦 𝘦𝘳𝘳𝘢𝘥𝘪𝘤𝘢çã𝘰 𝘥𝘢 𝘱𝘰𝘣𝘳𝘦𝘻𝘢. 𝘋𝘢𝘪 𝘢 𝘯𝘦𝘤𝘦𝘴𝘴𝘪𝘥𝘢𝘥𝘦 𝘥𝘦 𝘱𝘳𝘰𝘵𝘦𝘨𝘦𝘳 𝘢𝘮𝘣𝘪𝘦𝘯𝘵𝘦𝘴 𝘯𝘢𝘵𝘶𝘳𝘢𝘪𝘴 𝘦 𝘢𝘴𝘴𝘦𝘨𝘶𝘳𝘢𝘳 𝘢 𝘦𝘹𝘪𝘴𝘵ê𝘯𝘤𝘪𝘢 𝘰𝘶 𝘳𝘦𝘱𝘳𝘰𝘥𝘶çã𝘰 𝘥𝘢 𝘧𝘭𝘰𝘳𝘢 𝘦 𝘧𝘢𝘶𝘯𝘢 𝘣𝘳𝘢𝘷𝘪𝘢.” – explicou o Secretario de Estado na provincia de Nampula, Jaime Neto.

Com o apoio do Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento, através do projecto ProBio, a 3ª Reunião Nacional de Fiscalização das Áreas de Conservação da ANAC, tinha como principal objectivo avaliar e fortalecer os esforços colectivos na protecção e gestão das áreas naturais protegidas. (x)

MAPUTO, 1 DE MAIO DE 2024 – A Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC) deseja um Feliz 1 de Maio, a todos trabalhadores, em particular, os que trabalham nas Áreas de Conservação.(x)

MAPUTO, 24 DE ABRIL DE 2024 – O Primeiro-Ministro, Adriano Maleiane, recomendou nesta quarta-feira, aos recém-empossados Director Geral da ANAC e o Director Geral Adjunto o seguinte:

(i) Expansão e consolidação da rede nacional das áreas de conservação visando o alcance das metas nacionais e compromissos internacionais assumidos pelo país; e

(ii) Aprimoramento dos mecanismos de prevenção e combate de práticas ilegais de mineração, caça e exploração florestal.

Adriano Maleiane disse ainda que o sucesso da missão que acabou de conferir deve pautar pelo trabalho em equipa, boa gestão da coisa pública e diálogo permanente com todos intervenientes no processo da gestão, preservação e conservação da biodiversidade.(x)

MAPUTO, 24 DE ABRIL DE 2024 – Severiano Romão Khoy, filho de Romão Khoy e de Maria André. Nascido a 08 de Julho de 1961 no Distrito de Muidumbe, na Província de Cabo – Delgado.

Seus pais são de origem camponesa, nascidos no Distrito de Muidumbe, na Província de Cabo-Delgado.

Em 1976 frequentou a 5ª classe do ciclo preparatório na Escola Secundária da FRELIMO de Namaacha e em 1977, foi transferido para a Escola Secundária da FRELIMO de Ribáwè. Nestas escolas, marcou-lhe profundamente a agudização do trabalho em equipa e sobretudo a convivência com compatriotas de diversas partes do país.

Entre 1978 a 1980 frequentou e concluiu o Ensino Secundário Geral na Escola Secundária da FRELIMO de Ribáwè, na Província de Nampula. Nestas escolas a coisa que mais lhe marcou foi produzir para auto-suficiência dos alunos. Teve a ocasião de aprender a ter noção de conjunto no seio dos colegas.

Por ter sido um dos melhores estudantes no ensino secundário, em 1981 foi seleccionado para ir continuar com os estudos.

Foi neste contexto que foi matriculado na Escola Secundária Samora Machel da Beira, província de Sofala, onde frequentou o ensino Pré-Universitário, entre os anos 1981 a 1982.

Entre os anos 1983 a 1984 frequentou o 1º e 2º ano do curso de Veterinária na Universidade Eduardo Mondlane, na cidade de Maputo, de onde mais uma vez foi seleccionado para fazer parte do grupo de estudantes moçambicanos que deviam continuar com seus estudos no exterior.

É neste contexto que em 1986 viajou à antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), onde frequentou e concluiu o Mestrado em 1992 em Ciências Veterinárias, na área de inspecção animal, no Instituto Veterinário de Alma-Ata Kazaquistão.

 

𝐄𝐱𝐩𝐞𝐫𝐢ê𝐧𝐜𝐢𝐚 𝐏𝐫𝐨𝐟𝐢𝐬𝐬𝐢𝐨𝐧𝐚𝐥

Em termos de experiência profissional, após o seu regresso da ex-União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, em 1993 foi colocado como chefe da Pecuária a nível da região norte da Província de Inhambane, concretamente na sede do Distrito de Govuro (Nova Mambone), função desempenhada até 1994, altura em que foi empossado ao cargo de Chefe da Repartição Provincial de Fauna Bravia nos Serviços Provinciais de Florestas e Fauna Bravia de Inhambane. Na Repartição da Fauna bravia aprendeu a ser gestor dos recursos Florestais e Faunísticos e como mitigar os conflitos homem-Fauna Bravia.

De 1996 à 1998, para além da função de Chefe Provincial da Repartição de Fauna Bravia nos Serviços Provinciais de Floresta e Fauna Bravia de Inhambane, prestava cumulativamente serviços no Parque Nacional de Zinave, no de Distrito de Mabote – Inhambane, respondendo pelo maneio da fauna.

De 1998 à 1999 trabalhou como Técnico do sector de Pecuária na Direcção Distrital da Agricultura de Massinga, na Província de Inhambane, tendo cessado com a minha nomeação ao cargo de Director Distrital de Agricultura no Distrito de Funhalouro – Inhambane, cargo que desempenhou de 2000 à 2003.

De 2004 à 2009 desempenhou a função de Chefe Regional Norte da Fiscalização Agrícola onde liderei a equipa de técnicos que apoiou as comunidades na resolução de conflitos homem-fauna bravia na Província de Inhambane. De 2009 à 2014, trabalhou como Chefe da Repartição de Fauna Bravia nos Serviços Provinciais de Florestas e Fauna Bravia de Inhambane.

 

𝐋í𝐧𝐠𝐮𝐚𝐬

Severiano Romão Khoy fala Português, Inglês, Russo, Espanhol, Maconde, Suahil e Xitsua.(x)

MAPUTO, 24 DE ABRIL DE 2024 – Pejul Pedro Sebastião Calenga, nasceu em Maputo, em 1984, é casado e especialista de biodiversidade no Ministério da Terra e Ambiente.

Até a data da sua nomeação desempenhava a função de Assessor da Ministra da Terra e Ambiente para assistência técnica e estratégica no domínio da Conservação da Biodiversidade, e na área de cooperação e desenvolvimento de projetos.

No decurso da sua carreira, dentre outras tarefas, desempenhou funções como Chefe de Departamento de Protecção da Biodiversidade e, Chefe de Departamento de Estudos e Projectos na Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC).

 

𝐏𝐞𝐫𝐟𝐢𝐥 𝐀𝐜𝐚𝐝é𝐦𝐢𝐜𝐨

– Possui pós-graduação em Gestão da Vida Selvagem pelo College of African Wildlife

Management-Tanzânia (2007 a 2008) e mestrado em Gestão de Negócios (MBA) pelo

consócio Indira Gandhi Open University (2013-2015) e Universidade Eduardo Mondlane e, Licenciatura em Planeamento Turístico pela Universidade Eduardo Mondlane.

– Possui certificado/formação profissional em Avaliação de Impacto Ambiental (MICOA/Maputo), Combate ao Tráfico Ambiental de Vida Selvagem (ILEA/Botswana), Capital Nature (valorizamos a Formação de Formadores na Natureza/IUCN 2021), e de Gestor Sénior de Projectos Internacionais pela Academia Internacional de Gestão de Negócios e Finanças.

 

𝐏𝐞𝐫𝐟𝐢𝐥 𝐏𝐫𝐨𝐟𝐢𝐬𝐬𝐢𝐨𝐧𝐚𝐥

  • Abril de 2024 – Director Geral da Administração nacional das Áreas de Conservação (ANAC, IP);
  • De 2021 a Abril de 2024, desempenhou funções como Assessor da Ministra da Terra e Ambiente na área de Conservação da Biodiversidade e Cooperação Estratégica;
  • De 2016 a 2021, desempenhou funções como Chefe do Departamento de Proteção dos Recursos Naturais, na Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC);
  • Entre 2016 e 2015, desempenhou as funções de Chefe de Departamento de Estudos e Desenvolvimento na ANAC;
  • De 2011 a 2014, desempenhou tarefas relacionadas com o planeamento de áreas protegidas e gestão de projectos na Direção Nacional de Áreas de Conservação (DNAC);
  • De 2009-2011, desempenhou as funções de técnico de Planeamento e Estatística na Direcção do Trabalho da Cidade de Maputo.

 

𝐎𝐮𝐭𝐫𝐚𝐬 𝐫𝐞𝐚𝐥𝐢𝐳𝐚çõ𝐞𝐬

  • Desde 2023 – Desempenha as funções de Vice-Presidente do Comité Regional da IUCN para África Oriental e Austral a nível da União Internacional para Conservação da Natureza/IUCN;
  • Entre 2016 e 2023, conduziu vários processos de elaboração de projectos de média e grande dimensão com financiamentos aprovados de até 150 milhões de dólares nos domínios da protecção da biodiversidade e gestão sustentável dos recursos naturais, financiados por agências de desenvolvimento, com destaque para o Banco Mundial, Agência Francesa de Desenvolvimento e União Europeia.

 

𝐋í𝐧𝐠𝐮𝐚𝐬

Pejul Pedro Sebastião Calenga fala Português, Inglês, Francês e Suahil.(x)

MAPUTO, 24 DE ABRIL DE 2024 – O Primeiro-Ministro, Adriano Maleiane, empossou na manhã desta quarta-feira, 24 de Abril de 2024, pelas 9 horas, no seu gabinete de trabalho, o novo Director-Geral, Pejul Calenga e o Director-Geral Adjunto, Severino Khoi, para Administração Nacional das Áreas de Conservação(ANAC).

_Em actualização…_

TETE, 12 DE ABRIL DE 2024 – Os três países nomeadamente, Zimbabwe, Moçambique e Zambia acordaram que num prazo mínimo de 45 dias seja submetido as propostas ao nível ministerial de cada pais para apreciação ministerial e definição de passos subsequentes com vista a sua assinatura.

 

Em representação do Secretário de Estado, o Director do Gabinete da Secretaria de Estado em Tete, Ivo Cassicai, instou na última sexta-feira, 12 de Abril de 2024, os três grupos técnicos de Zimbabwe, Moçambique, Zâmbia para a observação dos prazos estabelecidos, sob pena de atrasar o avanço do acordo entre os três países.

 

“Queria encorajar para adoptarmos um prazo mínimo de forma que tenhamos o instrumento concluído. Esperamos que os encontros definiram as ações necessárias para que a proposta do acordo transfonteiriça do ZIMOZA cujo a sua implementação vai salvaguardar a sustentabilidade dos recursos para o bem da geração do presente e futuro seja transformado num plano de acção. das comunidades …queremos reconhecer o papel das áreas de conservação na manutenção dos ecossistemas, bem como, na geração de rendimento e desenvolvimento local das comunidades envolvidas.” – disse o Director do Gabinete da Secretaria de Estado em Tete, Ivo Cassicai.

 

O Director do Gabinete da Secretaria de Estado em Tete, Ivo Cassicai, aproveito a ocasião para saudar os jornalistas pela passagem dos 46 anos do jornalismo moçambicano.

 

“Aproveitar para saudar e parabenizar os jornalistas pelos 46 anos de jornalismo ao nível do nosso país” – disse o Director do Gabinete da Secretaria de Estado em Tete, Ivo Cassicai.

Entretanto, o Administrador do Distrito de Magoé, Tito Sitoe, disse que tendo terminado tecnicamente a proposta de acordo que ainda vai merecer uma análise de alto nível para depois ser assinado, o encontro técnico foi muito produtivo.

 

“Com este acordo, é uma plataforma de intercâmbio e no fim queremos que se preserva o mais ambiente, que se respeite a biodiversidade, que cada país tenha esse compromisso de cuidar da biodiversidade que acaba sendo de todos nós, os animais que são de Magoé as vezes passam para Zimbabwe, e vice-versa, devemos estar regidos sobre mesmo regime de controle e desenvolvimento”. – disse o Administrador do Distrito de Magoé, Tito Sitoe.

 

O Administrador do Distrito do Zumbo, Lucas Muidingue disse que foi aprovado em Agosto do ano passado pelo Governo, a Área de Conservação Comunitária do Zumbo, que também faz parte do ZIMOZA.

 

“Teremos mais razões e objectivos concretos para podermos preservar a área e os nossos recursos é muito importante ao nível do nosso pais. Com os países vizinhos tal como Zimbabwe e Zâmbia, com este acordo, teremos maior cooperação, mais inteiração, de modo a discutirmos juntos os problemas e como podemos ultrapassar. Nós temos ao nível do nosso distrito dois Comités de Gestão de Recursos Naturais, que também tiveram oportunidades de participar neste encontro estão a fazer um trabalho de sensibilização das comunidades de modo que os nossos recursos sejam mais preservados e conservados.

 

Continuamos com o desafio de queimadas descontroladas, a caça furtiva, com a ZIMOZA esperamos minimizar estes desafios e tornar a área prospera e melhorar a vida das nossas populações.

 

Para Chefe de Departamento de Cooperação e Estudo na Administração Nacional das Áreas Conservação (ANAC), Cornélio Miguel, a proposta do acordo visa responder um dos objectivos da Comunidade da Africa Austral (SADC) no contexto das Áreas Transfonteiriça que são muito importantes no contexto da crise ambiental global e nós precisamos de promover as abordagens de paisagens porque são muito importantes para manutenção da biodiversidade e o bem-estar das comunidades locais.

 

O Director Geral da Autoridade de Gestão de Parques e Vida Selvagem do Zimbabwe, Fulton Mangwanya disse que é importante a conclusão do acordo sobre ZIMOZA que esteve pendente por algum tempo, é um acordo que ira beneficiar os três países, Zimbabwe, Moçambique e Zâmbia.

 

“O ZIMOZA vai reforçar a fiscalização e proteção dos três países e as comunidades vão se beneficiar muito com a implementação deste acordo no âmbito da preservação desta mesma biodiversidade. Esperamos receber apoios de doadores e parceiros internacionais que irão assistir na implementação de ZIMOZA, tornando se assim operacional, como tem sido nas outras áreas de conservação transfonteiriça. Trabalhamos aqui muito bem, e saiamos daqui no último estágio e na esperança de vermos os nossos Ministros a assinar o acordo.” – disse o Director Geral da Autoridade de Gestão de Parques e Vida Selvagem do Zimbabwe, Fulton Mangwanya.

 

A Área de Conservação Transfonteiriça do ZIMOZA enquadra-se na paisagem do Zambezi e envolve as Repúblicas de Moçambique, do Zimbabwe e da Zâmbia. A discussão entre os 3 Estados Membros começou em Agosto de 1999 com a reunião de Harare, tendo a última discussão técnica sido realizada em Harare, Zimbabwe, nos dias 12 e 13 de Abril de 2023.

 

Participaram no evento, as delegações de Zimbabwe, Moçambique e Zâmbia. A delegação de Moçambique contou com a presença de quadros do Ministério da Terra e Ambiente através da Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC), Procuradoria Geral da República, Ministério da Justiça Assuntos Constitucionais e Religiosos, Ministério do Mar, Águas Interiores e Pescas, Ministério de Negócios Estrangeiros e Cooperação, Ministério da Administração Estatal e Função Pública, Polícia de Protecção dos Recursos Naturais e Meio Ambiente, Parceiros de Cooperação, Comunidades locais, Directores Provinciais de Desenvolvimento Territorial e Ambiente e dos Serviços Provinciais do Ambiente, Administradores dos Distritos de Cahora Bassa, Mágoè, Zumbo, do Parque Nacional de Magoé, Comités de Gestão dos Recursos Naturais, Comunidades e técnicos.(x)

TETE, 11 DE ABRIL DE 2024 – O projecto MozRural financiado pelo Banco Mundial promoveu o encontro tripartido entre as delegações de Zimbabwe, Moçambique e Zâmbia entre os dias 11 e 12 de Abril de 2024, na vila de Songo, Distrito de Cahora Bassa, província de Tete.

A reunião técnica foi testemunhada também pelos membros do Comités de Gestão de Recursos Naturais das Áreas de Conservação (AC) de Magoé, Zumbo e tinha como principal objectivo a apreciação do projecto do acordo actualizado entre os três países durante os encontros técnicos, bem como, delinear acções de seguimentos para a sua conclusão e assinatura.

Em representação do Secretário de Estado, o Director do Gabinete da Secretaria de Estado em Tete, Ivo Cassicai, instou na sexta-feira, os três grupos técnicos de Zimbabwe, Moçambique, Zâmbia para a observação dos prazos estabelecidos, sob pena de atrasar o avanço do acordo.

“Esperamos que os encontros definiram as ações necessárias para que a proposta do acordo transfonteiriça do ZIMOZA cujo a sua implementação vai salvaguardar a sustentabilidade dos recursos para o bem da geração do presente e futuro seja transformado num plano de acção. das comunidades …queremos reconhecer o papel das áreas de conservação na manutenção dos ecossistemas, bem como, na geração de rendimento e desenvolvimento local das comunidades envolvidas.” – disse o Director do Gabinete da Secretaria de Estado em Tete, Ivo Cassicai.

Segundo o Coordenador do Projecto MozRural Anibal dos Anjos, o Banco Mundial através do Projecto MozRural decidiu apoiar o Governo de Moçambique reativando esta actividade para que se consiga assinar este acordo imporante para os três países.

O Director Geral da Autoridade de Gestão de Parques e Vida Selvagem do Zimbabwe, Fulton Mangwanya disse que é importante a conclusão do acordo sobre ZIMOZA que esteve pendente por algum tempo.

“O ZIMOZA vai reforçar a fiscalização e proteção dos três países e as comunidades vão se beneficiar muito com a implementação deste acordo no âmbito da preservação desta mesma biodiversidade. Esperamos receber apoios de doadores e parceiros internacionais que irão assistir na implementação de ZIMOZA, tornando se assim operacional, como tem sido nas outras áreas de conservação transfonteiriça. Trabalhamos aqui muito bem, e saiamos daqui no último estágio e na esperança de vermos os nossos Ministros a assinar o acordo.” – disse o Director Geral da Autoridade de Gestão de Parques e Vida Selvagem do Zimbabwe, Fulton Mangwanya.

Um dos objectivos do projecto MozRural na componente II – Melhoria da Gestão dos Recursos tem em vista: Melhorar as práticas de gestão dos Recursos Naturais no Parque Nacional de Mágoè; Apoiar a criação de Área Conservação Comunitária Tchuma Tchato; Minimizar conflitos sobre o uso de terra e seus respectivos recursos entre as partes afectadas e interessadas no PCTT; Apoiar no fortalecimento das capacidades dos Comités de Gestão das AC; Apoiar na promoção de parcerias entre Comité de Gestão das AC e sector privado, garantindo partilha de benefícios proveniente da exploração dos Recursos Naturais com as comunidades.

A Área de Conservação Transfonteiriça do ZIMOZA enquadra-se na paisagem do Zambezi e envolve as Repúblicas de Moçambique, do Zimbabwe e da Zâmbia. A discussão entre os 3 Estados Membros começou em Agosto de 1999 com a reunião de Harare, tendo a última discussão técnica sido realizada em Harare, Zimbabwe, nos dias 12 e 13 de Abril de 2023.

Participaram no evento, as delegações de Zimbabwe, Moçambique e Zâmbia. A delegação de Moçambique contou com a presença de quadros do Ministério da Terra e Ambiente através da Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC), Procuradoria Geral da República, Ministério da Justiça Assuntos Constitucionais e Religiosos, Ministério do Mar, Águas Interiores e Pescas, Ministério de Negócios Estrangeiros e Cooperação, Ministério da Administração Estatal e Função Pública, Polícia de Protecção dos Recursos Naturais e Meio Ambiente, Parceiros de Cooperação, Comunidades locais, Directores Provinciais de Desenvolvimento Territorial e Ambiente e dos Serviços Provinciais do Ambiente, Administradores dos Distritos de Cahora Bassa, Mágoè, Zumbo, do Parque Nacional de Magoé, Comités de Gestão dos Recursos Naturais, Comunidades e Fundação para Conservação da Biodiversidade (BIOFUND), entre técnicos.(x)

MAPUTO, 07 DE ABRIL DE 2024 – A Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC), deseja um Feliz 7 de Abril, a Todas Mulheres Moçambicanas, em particular, as que trabalham nas Áreas de Conservação.

Bem haja a Mulher Moçambicana!

MAPUTO, 04 DE ABRIL DE 2024 – A Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC) realizou no dia 04 de Abril, na Cidade de Maputo, a reunião anual de caça desportiva a qual é organizada em coordenação com a Associação Moçambicana dos Operadores de Safaris (AMOS), operadores de fazendas de bravio, bem como, a participação de diferentes parceiros em matéria de conservação.

A Reunião Anual de Caça Desportiva contou com 50 participantes entre operadores das Coutadas Oficiais, Fazendas do Bravio, Blocos de Caça da Reserva do Niassa e Áreas de Gestão Comunitária de Fauna Bravia (Tchuma Tchatu e Chipanji Chetu); Caçadores-Guias; ONGs e Organizações Internacionais baseadas no país e ligadas ou com interesse na matéria; Instituições Governamentais como as Alfandegas e Policia de Protecção dos Recursos Naturais e Ambiente; Técnicos da ANAC e dos Serviços Provinciais do Ambiente entre outros convidados.(x)